6 Comentários

100Grana Ouviu Amazing Journey: The Story of The Who

Assistimos e contamos para você tudo sobre a antologia de uma das bandas mais marcantes do rock: The Who.

Por Marcelo Gabbay

Caros lisos, o 100Grana aproveita este espaço pra indicar um ótimo documentário sobre uma importante banda de rock inglesa, o The Who. Em semana de Oscar, vale ressaltar que esse é um documento realmente interessante, já que depois de vários DVDs de R$ 12,99 sobre a banda, finalmente assistimos a um material organizado e curioso.

 

Seguindo o consagrado formato “Beatles Anthology” (onde os depoimentos dos próprios membros da banda delineiam a principal linha narrativa do filme), Roger Daltrey (vocal), Pete Towshend (guitarra) e os falecidos John Entwistle (baixo) e Keith Moon (bateria) relembram fatos que vão além da velha historinha de bandas que ficaram mega-famosas do dia pra noite. O que nós esperamos num documentário como esse é entender como um grupo se aprimora e se insere na roda do mercado, como eles chegaram lá? Como faziam as músicas? Enfim…

E é nesse sentido que Amazing Journey: The Story of The Who apresenta informações importantes e curiosas como a passagem do guitarrista Pete Towshend pela Escola de Arte de Londres, onde conheceu se influenciou pelo trabalho dos artistas plásticos mods (apelido para os modernistas). Eles costumavam destruir a própria obra em protesto contra a lógica detratora do sistema capitalista, foi assim que Gustav Metzger e Yoko Ono apareceram no filme, ligados à idéia de Towshend de destruir a guitarra no final do show – uma inspiração modernista e rebelde que virou modinha logo depois.

O lendário Festival de Monterey de 1967, na Califórnia, marcado pela performance de Jimi Hendrix, onde ele toca fogo na guitarra e faz menções de magia e vodu encima dela, é relembrado por Towshend, que conta uma curiosidade: naquela época o Who já era famoso por destruir os instrumentos (por sinal, o empresário conta no filme que o custo de remendo das guitarras fazia com que os músicos saíssem dos shows endividados), e, com medo de perderam a fama pra Hendrix, eles brigaram para se apresentar primeiro, e conseguiram!

Jimi Hendrix no Monterey Festival e a clássica cena da guitarra em chamas!

O The Who em ação no mesmo Festival mandando o hit My Generation.

Outro fato histórico e importantíssimo foi o papel das rádios piratas na aparição do The Who na Inglaterra. Roger Daltrey lembra que naquele tempo as BBCs (rádios do governo britânico) detinham o monopólio sobre a difusão no país; assim, várias rádios não-oficiais surgiam, muitas vezes transmitidas de barcos em alto mar para fugir da fiscalização. A Rádio Caroline era uma das mais importantes entre as piratas e foi responsável pelo primeiro sucesso do Who, I Can’t Explain, em 1965. Segundo o próprio Daltrey, “A verdade é que, sem rádio pirata, a invasão inglesa e aquele cenário pop não teriam acontecido”. Vale também destacar o aniversário de 21 anos do batera Keith Moon, quando ele, maluco, mandou atirar um Rolls Royce na piscina; foi essa cena que inspirou a capa do álbum Be Here Now do Oasis, em 1997.

A capa do CD Be Here Now de 1997. Várias referências, entre elas o Rolls Royce na piscina!

As influências modernistas de Towshen, somadas ao primor musical de Entwistle e ao experimentalismo maluco de Keith Moon foram meio caminho para aquele que foi o grande feito do The Who nos anos 1960: a ópera-rock Tommy, de 1969; que retrata a história fictícia de Tommy Walker, um cego, surdo e mudo craque de pinball que mais tarde se tornaria uma espécie de messias ou líder espiritual, atraindo inveja e exploração por parte daqueles que o maltrataram na infância. Após a morte do baterista por overdose em 1978, o The Who passou por momentos sombrios e mudanças no som. Nos anos 1990 eles fizeram algumas voltas com o baterista Zak Starkey (isso, filho do Beatles Ringo Starr), mas em 2002, o baixistas John Entwistle se mandou desse mundo, sozinho num quarto do Hard Rock Hotel em Las Vegas, na véspera de um show, segundo os médicos, problemas cardíacos não tratados mais uma fileirinha de cocaína é igual a um fatal pirepaque.

John Entwistle, uma fera do baixo!!! Em 2000.

Recheado de depoimentos de famosos como Sting, The Edge, Eddie Vedder e Noel Gallagher, o filme vai avançando no tempo dividido em lados, como num disco de vinil. Pra quem quiser saber um pouco mais e melhor sobre essa grande banda já tem aí um ótimo material com muitos extras e preço razoável. Vale muito a pena!

Este DVD é um oferecimento da FOXVÍDEO LOCADORA e pode ser alugado clicando na imagem abaixo:

Leia mais sobre música no 100Grana.com.

Participe de nossa promoção Relâmpago. Clique para saber mais!

Anúncios

6 comentários em “100Grana Ouviu Amazing Journey: The Story of The Who

  1. “I hope I die before I get old…” isso pra mim traduz a figura do Keith Moon

  2. […] – Amazing Journey: The Story of The Who […]

  3. brother marcelo sabe tudo de baixo e de música. que o diga o ladyland, vamos voltar a tocar gabbay

  4. Por essas e outras que The Who é melhor que Beatles. Uma pena que ainda não tenho esse DVD. Será um dos últimos para fechar minha coleção.

  5. The Who para sempre! Ê música boa…

  6. Essa banda está realmente no topo sagrado da pirâmide do rock’n roll, em companhia dos Beatles e poucas outras. Para quem não conhece, antes tarde do que nunca! Who’s Next, Tommy, álbuns maravilhosos!

Comenta, liso! É grátis.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: