24 Comentários

100Grana Viu: Sherlock Holmes

Depois de tantas versões, o que Guy Ritchie e Robert Downey Jr. têm a acrescentar ao mito do famoso detevive infalível? Elementar, meu caro liso…

Essa foi a primeira pergunta que me fiz logo quando soube dessa nova versão de Sherlock Holmes. E vou dizer logo de cara que  impliquei com a idéia, num primeiro momento achei que Ritchie poderia dirigir outros filmes mais interessantes, mas para minha surpresa, eu estava redondamente enganado. Permitam-me primeiro explicar do que se trata a trama deste filme.

Nessa versão, Holmes (Downey Jr.) e o Dr. Watson(Jude Law) desvendam seu último caso, com êxito, ao impedir o sombrio Lorde Blackwood (Mark Strong) de cometer mais um assassinato num ritual demoníaco. O criminoso é condenado e enforcado, mas aparentemente, ele ainda está vivo e dando continuidade a um plano sinistro e grandioso, que sem dúvida vai exigir todo a enorme sapiência e astúcia de Holmes, que ainda tem de lidar com o fato de que seu parceiro vai se mudar, pois está noivo.

Eu vou analisar cada parte integrante deste filme, mas vou logo dizendo: o filme é muito bom, e se eu tinha alguma ponta de dúvida quando cheguei na sala de exibição, ao acender de luzes, eu já tinha outra opinião formada.

Primeiro, falando sobre a direção. Quem já assistiu filmes de Guy Ritchie, como Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes ou Snatch- Porcos e Diamantes, vai reconhecer seu estilo visual, sendo que, como eu citei Snatch, posso dizer que há algumas semelhanças de recurso, incluindo o flashback, o que é muito legal para mostrar, entre outras coisas, que as atitudes Holmes em cena, por mais absurdo que  pareça, tem uma intenção coerente.

E para falar a verdade, não estou mais triste pelo fato do diretor ter se desligado da produção de Lobo, da DC Comics. Hoje, vejo o diretor inglês perfeito para uma outra adaptação da editora (se resolvessem fazer, é claro): a de Victor Sage, o Questão.

Aí entra Robert Downey Jr. O cara foi muito bem escolhido para o papel. Perfeito como um Holmes não apenas genial, mas atrevido, excêntrico… e lutador. Muitos podem questionar as cenas de luta do detetive no filme, que por sua vez é baseado tanto nas adaptação em quadrinhos de Lionel Wigram como nos livros original do criador do personagem , Sir Arthur Conan Doyle, aonde (pasmem, lisos) ele também era porradeiro!

Embora muitas adaptações não mostrem, o fato é que nos livros Holmes é adepto do boxe e também do Bartitsu, um estilo de arte marcial e defesa pessoal desenvolvido na Inglaterra entre 1898 e 1902.

Falando rapidamente sobre o Bartitsu, ele foi desenvolvido por Edward William Barton-Wright, um engenheiro britânico que havia passado três anos vivendo no Império do Japão. Esta arte combina os melhores elementos de diferentes estilos de luta em um só.  Definido como a “auto-defesa em todas as suas formas”, o estilo usa recursos como jogar pano na cara,  ou bater com cotovelo, recursos esses que inclusive são mostrados no filme.

Mas voltando ao Holmes, muitas  das qualidades e defeitos do personagem são mostrados no filme.  Na mesma proporção que seu faro detetivesco é grande e incomparável, seu desajuste social é visível e por muitas vezes engraçado. Além de sua reclusão obssessiva, a arrogância, o vício no cachimbo e nas cordas de um violino estão lá. E o que dizer de seu relacionamento com as pessoas? As cenas em que está preso e a do jantar com Watson e a noiva do médico são as melhores para se notar isso.

Aí entra o Dr. Watson. Eu não sou lá muito fã de Jude Law, mas até que ele foi bem dessa vez. Tão inteligente (mas não tanto) quanto Holmes, ele é a peça cética e discreta da dupla, observador e obstinado quanto seu parceiro. Engraçado também notar o quanto ambos dependem um do outro, quase como se fossem um casal em crise. De um lado, Holmes sempre convence o relutante Watson a  acompanhá-lo em suas  perigosas aventuras, quase  sempre seguindo à risca suas instruções.

No outro lado da moeda, Holmes fica visivelmente desesperado com  a possibilidade da ausência de Watson depois do casamento dele, e faz de tudo para adiar este momento de separação o máximo possível. Mas antes de dependente, ele é amigo e demonstra em ocasiões específicas, quando seu amigo corre risco de vida, que Watson é muito importante para ele.

Eis que entra em cena Irene Adler (Rachel McAdams), uma personagens descrita em um dos contos de Sherlock Holmes, Um Escândalo na Boêmia, como um caso antigo do detetive, fato que fica evidente no filme. Pessoalmente, acho que embora Adams seja meio novinha para o papel (lembran que há poucos  anos , ela fazia comédias adolescentes), ela cumpriu muito bem o papel da ex-amante cínica, manipuladora e capaz de enganar até o infalível detetive, sem falar que possui um papel mais importante a desempenhar futuramente, mas falo disso depois, se maiores detalhes.

O vilão Blackwood é o típico em sua categoria. Misterioso, o personagem de Mark Strong parece manipular todas as engrenagens de seus planos mirabolantes, e por muitas vezes sua ausência em tela deixa crescer uma aura de onipresença em torno do personagem, sem falar na atuação dele, pois o cara  me convenceu de que ele pode um bom Sinestro para Lanterna Verde, caso seja escolhido.

A trama do filme se desenvolve bem, especialmente pelos recursos usados pelo diretor  dos quais já falei, mostrando que, de muitas formas, o Holmes de Downey Jr. também  é quase um Chapolin inglês do século 19, com movimentos friamente calculados antes de entrar em ação. Aliás, não sei por quê, o Downey Jr, quando bem vestido em algumas cenas, me lembrava o Bolañoz vestido de Dr. Fausto num episódio do Polegar vermelho  🙂 .

Agora, sem dar maiores detalhes, alguns aqui podem achar estranho meu comentário, mas em alguns momentos finais, esse Sherlock Holmes me lembrou Batman Begins em seus atos finais (!). Como assim? Não vou entrar em maiores detalhes, mas prestem atenção nos detalhes que esconderei aqui, como SPOILER:

A luta final com um vilão com planos megalomaníacos para a cidade (e o mundo também, nesse caso), utilizando um recurso que também envolve envenenamento ,a conversa entre o herói e sua amada, a descoberta de que há um vilão mais perigoso (e mais conhecido  para os fãs da série) à solta, deixando um gancho para a continuação.

Fim do SPOILER

De todos os filmes de Sherlock Holmes, meu filme favorito sempre foi o clássico dos anos 80, O Enigma da Pirâmide. Agora, finalmente acho que encontrei mais um para a lista de boas adaptações  do detetive.

Cotação: R$8,00 de R$10,00

Continue lendo o 100Grana e até a próxima notícia

24 comentários em “100Grana Viu: Sherlock Holmes

  1. não curto muito o Sherlock

  2. Poxa, me convenceu a ir no cinema, sou fão do Robert Downey Jr, mas achei que não valia a ida ,ia esperar o DVD.

  3. assisti o filme e concordo com td q o cara escreveu….
    ótimo filme, irei ver de novo concerteza!!!

  4. O filme é muito bom e vale sim a ida ao cinema, para fãs e não fãs do personagem secular. Vejo essa nova empreitada cinematografica de se laçar uma cinesérie com o mesmo muito boa, embora pudesse evitar muitos dos exageros dos blockbusters, e criar uma atmosfera mais “non sense”. A comparação com Batman Begins é mesmo inevitável, mas confesso que deixa com uma expectativa muito grande para uma continuação.

  5. será que foi só eu que percebeu uma certa tensão sexual entre o holmes e o watson? hehehehe
    curti mt o filme mas tinhas que fazer essa observação ehhehee

  6. O filme foi muito dez. Mas sério, eu nem duvidava, com Robert e Richie, acho que não tinha como dar erro. Eu dou $9,00 de $10,00.

  7. eu ja assisti duas vezes e putz estou de acordo com tudo que vc escreveu
    e obvio que vai ter continuação, aos que ainda tem duvidas para ir assistir, vão de boa porque o filme é da hora e a cena de luta é simplesmente muito bommmmmmmmmmm =DD

  8. Não tem tensão sexual nenhuma entre os personagens, fica bem evidente que eles são daquele tipo de amigo quase irmão, daqueles que caem na porrada entre si o tempo inteiro, mas na hora de defender um ao outro, já chegam na voadora. Nada a ver com um certo “ring bearer” passivo e seu parceiro ativo que todos nós conhecemos…

    O Guy Ritchie é um dos meus diretores de filmes ação favoritos, e o Robert Downey Jr. renasceu como um dos melhores atores de ação com cérebro dos últimos anos. Torço pra ver um quarteto formado por Ritchie, Downey Jr., Jason Statham e Ray Liotta em algum projeto futuro, ia ser phoda!

  9. O filme vale mesmo o ingresso… além de divertido tem bons momentos de ação…

  10. Que bom, espero que ele também faça um bom papel no novo longa-metragem de o Homem de Ferro 2 (E pra completar com as comparações, ele lembra o chapolin dos séculos modernos também :-), brincadeirinha. Falou.

  11. sou muito fã de sherlock holmes e ja li todas as historias publicadas. o filme foi muito bom mas seria interessante eles terem feito como tudo aconteceu, como watson foi alugar um quarto com holmes, como realmente tudo aconteceu. depois poderia mostrar moriart, o maior inimigo de holmes ( sem contar a ausencia de watson ). existe muitas historias para fazerem de filme mas cabe a direçao saber o rumo que vai tomar

  12. Já assisti 3 vezes, o filme é muito bom mesmo.

    Palmas para o post!!!

  13. Saudações Serjão,

    Assisti ontem o filme!

    Concordo contigo com a bela adaptação do mesmo. Haviam anos que não me sentia tão feliz em ver um belo roteiro como aquele.

    Porém, O ENIGMA DA PIRÂMIDE ainda é um marco em minha vida de cinéfilo, e nem de longe, por mais que seja baseado em um Jovem Holmes, será deixado para trás por este estreante. Pelo menos, não até vermo a continuação da saga… rsrs…

    Abraços!

    (Omnis Nergal)

  14. se fosse peter e harry,batman e robin,frodo e sei lá quem todo mundo falaria não é ? nesse caso é por que é uma amizade,quase como irmãos ?

  15. Vi o filme e gostei muito. Pena que Robert Downey Jr não foi indicado ao OSCAR de melhor ator. Ai seria homem de ferro vs monge de ferro. Enfim… Só espero que tenha o outro final, por que este que esta sendo exibido nos cinemas é dos produtores e não o do Diretor como o proprío queria.

  16. Realmente o “Holmes de Ferro” foi Cotação R$8,00. Concordo com tudo que o Sérgio “Mentorbreak” Fiore disse sobre o filme e digo mais: é o segundo melhor filme de Sherlock Holmes que já vi, ficando atrás apenas do ENIGMA DA PIRÂMIDE.

    Um Abraço a Todos

  17. Sherlock Gay não dá.
    Lixo de filme.

  18. Sou fã de Sir Arthut Conan Doyle e sua máxima criação Sherlock Holmes. Ainda não tive a oportunidade de assistir o filme mas farei e gostaria de ressaltar que o personagem influenciou e influencia até hoje outros personagens de literatura, quadrinhos e cinema.

  19. Eu vi o filme hoje e ADOREI!!! agora é só esperar a continuação!

  20. quem ja assistiu o xangô de backer street?!?
    é um filme brasileiro, q poe sherlock no brasil para desvendar as mortes de mulheres feitas por um serial killer canibal q toca um violino sempre após as mortes….sinceramente, eu achei um ótimo filme q misturas várias histórias e tem um final bem engraçado (trash)…. o filme todo em si é muito engraçado….
    quem quiser assistir é só alugar…

    flw

  21. Sinceramente… o filme deveria se chamar Sherlock NINJA…
    foi mal… mas foi muito estranho…

  22. Assisti ao filme e achei muito bom! Sou muito fã dos livros também, acho o máximo!
    Sherlock é demais! Um livro melhor que o outro, e o filme também!

  23. […] a questão é a seguinte: Depois que Guy Ritchie deixou a direção do filme para trabalhar em  Sherlock Holmes, os executivos da Warner creseceram os olhos para o faturamento do filme e querem que ele faça […]

Comenta, liso! É grátis.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: