5 Comentários

Quadrinhos: O que faz um herói ser apreciado?

Caros leitores, hoje eu aproveito este domingo para dividir com vocês um reflexão que fiz e convido vocês a opinar a respeito.

batman-superman

Essa semana, eu estava  em uma livraria daqui de Belém, olhando algumas HQs, e havia um grupo de leitores olhando também, próximos a mim. A média de idade parecia ser entre 15 e 20 anos.

O que me chamou a atenção foram algumas frases soltas da conversa deles:

“O Ciclope é um ridículo. Que nem o  Capitão América. Ainda tentaram dar uma moral pra ele nos Vingadores, mas não conseguiram”

“Mais ridículo que eles só o Aquaman.”

Fiquei me perguntando: o que faz um personagem ser “ridículo”? Quais os critérios? É bem verdade que a visão que temos de muitos deles mudam quando comparamos gerações de leitores. O que foi bom para a minha pode não ser para a próxima e cabe a mim compreender isso.

Agora, o que eu entendo é que, muitas vezes, grupos de leitores como esses compram a visão de uma imagem vendida pela mídia virtual especializada, além de terem uma preferência por tudo o que é considerado “In” no mundo da cultura pop. Sei, por exemplo, que a moda hoje é ser fã do Homem de Ferro, mas me orgulho particularmente de ter rabiscado meu caderno de escola com desenhos dele , lá pelos anos 90,e ter figures do personagem quando as pessoas ainda achavam que ele era apenas um personagem do Marvel vs. Capcom.

1172620-iron_man1097321_modular_armor_2_super_super
E me irrito que pensem as vezes que apenas sigo um modismo recém-criado. Modismo aliás, que dita algumas regras bem conhecidas:

– Personagens como Batman, Wolverine, Hulk, Motoqueiro Fantasma e Justiceiro são os populares. Por quê? São isolados, são agressivos, violentos e até matam.

bwh

– Já Superman, Ciclope, Capitão América e outros da mesma linha são tachados geralmente de bundões, ridículos e derivados porque muitas vezes a força e superioridade que tem não são tão fortes quanto os valores que defendem.

CapSupesHi

O que eu quero dizer, amigos, é o quanto eu desaprovo esta tendência mercadológica de enaltecer o banho de sangue como heroísmo, e menosprezar a valorização do ser humano e seus atos.

Se pensarmos por um lado, também, a impressão que dá é que existe algum tipo de fetiche em ver o herói se dar mal. Não é de se estranhar, só traçando um paralelo com o cinema, que o episódio predileto da maioria dos fãs de Star Wars é O Império Contra Ataca, em que basicamente dá tudo errado para Luke e cia.

Isso muitas vezes obriga os roteiristas a fazer com que esses personagens sofram alterações. Bons exemplos disso são a atual postura do Ciclope nas HQs, mais radical e agressivo, ou o Homem Aranha-Octopus, mais sombrio e parecendo o Batman. É triste ver personagens lendários às vezes perdendo suas essências para saciar a sede de sangue da audiência.

Mas não culpo a atual geração por essas mudanças, mesmo porque ela vive um outro momento, o dos jogos ultra-sanguinolentos, do UFC tomando o lugar do boxe como esporte de contato, da violência urbana. Como querer que eles não se identifiquem mais com esse ambiente, ao invés de uma visão utópica de herói?

x-t2

Por fim, gostaria de dizer que dei boas risadas com a polêmica do Wolverine, ao ver o quanto alguns ficaram desesperados e não aceitam nem mesmo em universo paralelo que o machão bebedor de cerveja com garras afiadas que é o Wolverine possa beijar o Hércules.

E essa é uma opinião pessoal minha, ninguém precisa concordar com ela.

Anúncios

5 comentários em “Quadrinhos: O que faz um herói ser apreciado?

  1. Concordo que personagens violentos tem mais popularidade, mas o Batman apesar de não ser também é muito querido. Deve-se levar em conta o sucesso dos 3 filmes, mas mesmo antes ele já era querido pelas massas.

  2. Ótimo artigo!
    Concordo em partes. Acho compreensível que os “anti-heróis” sejam mais sedutores, é até natural – pois eles cometem erros e se aproximam mais de nós, por isso a identificação. Eles tem mais liberdade, são mais livres, isso atrai. A rebeldia, a transgressão sempre tiveram mais apelo, principalmente entre os jovens. É como quebrar tabus.

    Super-homem e Capitão por exemplo, nunca vão xingar, não ficarão puto como nós, nunca reagirão como meros mortais porque é isso que eles são: ideais! Quando algo é muito idealizado, perde-se a referência. Além disso, esses heróis que citei [mais o HdF no Vietnam] foram excelentes produtos de seu tempo: onde o mundo tava mergulhado em guerras. Eles serviram de inspiração de pátria, onde as pessoas precisavam disso mais que nunca. Seu papel foi cumprido. Depois dessa ápoca, onde vão parar esses características? Até as guerras estão diferentes hoje em dia.

    Além disso, não generalize – tenho 36 anos e nunca fui fã de Capitão, Superhomem ou HdF! Esse ideal ligado ao patriotismo nunca me atraiu. Sempre curti mais os heróis ligados a realidade de rua e crimes, como Demolidor, Justiceiro, Batman e o Aranha. Vim a gostar de HdF mais tarde, depois da saga Demônios na Garrafa, porque isso aproximou o herói das pessoas comuns. Quando um herói sofre, nós tendemos a criar um vínculo imediato.

    Wolverine é um caso a parte. Apesar de gostar dele no início, nunca entendi a febre que se seguiu em torno desse personagem. Acho que o fato dele ser feio, baixinho, falar tosco, fumar, beber, enfiar a porrada se tornaram um apelo muito forte pra molecada! Encaro dessa forma: o Ciclope é o ideal de um homem – líder, responsável, comedido, calculista. Mas ninguém consegue ser assim o tempo todo! Por isso ele se torna um chato! Já o Wolverine que explode, fica furioso, comete erros, é muito mais rico e interessante! Tipo, o Ciclope é o Dedé e o Wolverine é o Didi. Um não vive sem o outro, o Didi só é engraçado porque tem um escada feito o Dedé! Esse dinâmica é boa, é o contraponto perfeito.

    Pra finalizar, não acho que gostam de Império Contra-ataca porque “tudo dá errado pros mocinhos”. Não – acho que é o melhor da trilogia porque simplesmente é tecnicamente o melhor: mais bem escrito, melhor dirigido, os personagens são bem explorados e estão mais complexos! Se por acaso ficou “mais sombrio”, é porque o mal ficou mais evidente pra fazer o contraponto perfeito.

  3. Post interessante Sérgio, me lembro que sempre gostei mais do Hulk que
    os outros heróis, mas com o tempo fui percebendo que personagens como
    o Superman também mereciam ser lidos pois ele representa o ideal de um
    ser humano perfeito tanto física como moralmente, (e o mundo precisa desse
    tipo de exemplo).
    Hoje, após mais de vinte anos colecionando gibis, sinto uma predileção pelos
    heróis urbanos e desencanados como o Demolidor e Flash.
    Os tempos mudam mas a inspiração que os super-heróis nos proporcionam
    permanecem.

  4. Sempre gostei muito do Aranha, Wolverine e Batman, acho que eles são a santíssima trindade dos quadrinhos, e veja que há uma boa diferença entre eles: o Homem-Aranha está sempre em conflito interno, embora ele goste de ser um super-herói, culpa-se pela morte do tio e sua vida social é um caos. Ele nunca mata, e existe um interesse financeiro em seu heroísmo, as fotos que Peter tira pagam (mal) suas contas.

    Wolverine gosta de de ser mutante, gosta de dar porrada e se for o caso mata quem estiver na sua frente e dane-se tudo! Mas ele também sofre por causa de sua impulsividade, e mais ainda por sua memória fragmentada e com estórias falsamente implantadas nela.

    Confesso que sempre achei o Capitão América chato, mas depois de filme, que mostrou o quanto ele é abnegado e dedicado ao bem estar dos outros, minha opinião sobre ele mudou, agora o respeito um pouco mais.

    O Homem-de-Ferro eu nunca gostei, achava a armadura dele, lá nos meados dos anos 80, feia e o desenho que passava na TV Manchete, dele e do Hulk, era horrível, com movimentos pausados, estranhíssimo! Depois dos filmes, minha opinião sobre o Hulk não mudou muito, ainda o acho chato, talvez seja por desconhecimento. Mas o Ferroso realmente é um orgasmo nerd! O cara é inteligentíssimo e construiu uma armadura que voa e atira mísseis! Mais legal que isso só uma caveira em chamas!

    Por falar nisso, o 1º filme do Motoqueiro foi legal, só isso. O 2º achei muito fraco, perderam-se na estória… E alguém pode me dizer por que não aproveitaram o desenho da moto do filme anterior? POR QUÊ??

    Não sei se os modismos são necessariamente ruins, aposto que tem muito guri que começou a ler os gibis depois de ter visto os filmes, assim a Marvel e a DC continuam vendendo, afinal lucro é importe, e mantêm nossos tão amados heróis vivos. Mesmo quem não tornou-se leitor do herói que viu no filme, pelo menos, agora tem uma visão melhor daquele cara que era tachado de chato.

    Já o Batman, é um caso completamente a parte:
    http://nerdworkingbr.blogspot.com.br/2012/07/batman-quando-o-porque-precede-o-como.html

  5. queimaram o filme do wolverine!!
    ainda bem q não acompanho mais suas hq’s”

Comenta, liso! É grátis.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: